quarta-feira, 30 de março de 2011

Zumbano Love, o boxeador do amor

Raphael Zumbano e modelos / (Foto: Arquivo Pessoal)


Enquanto Raphael Zumbano se prepara para encarar Ojeda a luta de Mike Miranda ocorre no ringue, mas alguns olhares se voltam para seu vestiário de tempos em tempos, são olhos maquiados em rostos finos e de pele sedosa muitos belos, outros nem tanto. São meninas, ninfetas, balzaquianas e matronas de classe abastada.

O pugilista peso pesado se prepara alheio a essa atenção, foca na luta, sabe que qualquer coisa naquele momento é secundária, é uma disputa de cinturão e não uma partida de Mortal Kombat ou Street Fighter II.

Miranda derruba seu adversário e os olhos se voltam para o vestiário: “cadê ele” e “tá demorando” são algumas colocações expressas pela plateia, sendo que parte da assistência feminina fica ansiosa. Zumbano quando luta na Cia Athletica é como um alazão em seu haras, um macho alfa em seu território. Talvez por esta sensação e por estar cercado por amigos ele lute tanto lá.

O filho de Dona Mara é querido por muitos pugilistas por buscar não apenas o bem para si, mas para seus colegas se mostrando sempre preocupado em vias de melhorar o estado da nobre arte no Brasil assim como fizeram seus ancestrais, o distinto clã Zumbano-Jofre.

Deste legado herdou o estilo de Ralph, seu avô e pai postiço, mas o jeito com as mulheres veio de Antonio “Tonico” Zumbano, também conhecido como Zumbanão, o rei das noites paulistanas nas décadas 1940 e 1950. Tonico além de reconhecido como bon-vivant e muito atencioso com as damas de distintas origens era uma figura facilmente reconhecível na sociedade paulistana de antes trajando seu terno risca de giz e um bigode à la Clark Gable.

O boxe nacional já teve também outro galã que tinha até o nome em sandálias femininas, foi Paulo de Jesus que era tido como um dos mais belos de sua época. Além de cobiçado pelas mulheres era bem quisto pelos camaradas.

Zumbano é atencioso com todos presentes em sua luta, sabe se portar e isso aprendeu em casa, algumas pessoas hoje procuram bons moços e não mais “bad boys”. O fato de estar com o cinturão e ter os olhos voltados para ele na noite de 17 de março de 2011, o tornam o centro das atenções, inclusive olhares desejosos.

A luta acaba, os colegas pugilistas e os fãs gritam seu nome, aplaudem, a mãe o abraça, e depois as mulheres que olhavam ávidas para seu vestiário se aproximam parecendo disputar atenção e espaço pedindo pra tirar fotos e um amigo de baladas fala: “lá vai o Zumbano Love, o boxeador do amor”, e os colegas da noite caem na risada. Zumbano pode ter muito do boxe e a busca pela justiça social de Ralph, mas o traquejo com as mulheres ele puxou de Zumbanão.

Eduardo Mello se explica e Córner do Leão pede desculpas à ele

Ontem (29/03) estive com o Sr. Eduardo Caldas de Mello Peixoto no distinto espaço de pugilismo do Conjunto Desportivo Baby Barioni e o mesmo me confirmou pessoalmente não ter feito o comentário sobre a atuação de Michael Oliveira na sexta-feira passada (25/03).

Portanto, um anônimo se passou pelo mesmo. Peço desculpas tanto ao Sr. Eduardo Mello quanto ao pugilista Sr. Michael Oliveira e ao seu pai e empresário Sr. Carlos Oliveira.

O blog Córner do Leão terá uma apuração de comentários mais acirrada.

Desculpem pelo transtorno

Gabriel Leão.

terça-feira, 29 de março de 2011

Record faz matéria sobre MMA e Boxe



A Record exibiu dia 22 de março em seu Jornal da Record uma matéria sobre o Boxe, o MMA e o início dos lutadores na série de reportagens "O Brasil no Ringue". Participaram o profissional César Pereira e o amador Bruno Oliveira.

domingo, 27 de março de 2011

Gamboa dá "game over" em Solis

Yuriorkis Gamboa (dir.) e Jorge Solis (esq.) / (Foto: Ed Mulholland)




O cubano Yuriorkis Gamboa, 29, colocou na lona cinco vezes o mexicano Jorge “Coloradito” Solis, 31, e reteve seu título dos penas (57,1 kg) da Associação Mundial de Boxe com um nocaute técnico no 4º assalto em combate feito na cidade de Atlantic City, Nova Jersey nos E.U.A. Gamboa perdeu seu título da Federação Internacional de Boxe no dia anterior por não ter participado da repesagem obrigatória da entidade.

No combate, Gamboa (20-0-0, 16 KO's) fez um 1º assalto equilibrado, porém no 2º capítulo acabou o estudo e colocou Solis (40-3-2, 29 KO's) duas vezes na lona e o colocou nas cordas no final do round.

O 3º round teve Solis encontrando o chão novamente, mas salvo pelo gongo, porém no assalto seguinte a fúria cubana de Gamboa o derrubou mais 2 vezes o transformando em vítima do “Ciclone de Guantánamo” e o árbitro David Fields optou corretamente por encerrar a apresentação.

Ndlovu tira título dos supergalos FIB de Molitor após 3ª tentativa

Takalani Ndlovu (dir.) e Steve Molitor (esq.) / (Foto: AP Photo - The Canadian Press - Chris Young em 27/03/2010)

O sul-africano Takalani Ndlovu, 33, precisou de três oportunidades para tirar o título supergalo (55,3 kg) da Federação Internacional de Boxe (FIB) do canadense Steve Molitor, 30. O último episódio da rivalidade foi ontem na cidade de Joanesburgo na África do Sul.

Ndlovu (32-6-0, 18 KO's) conhecido como “Panther” (Pantera), lutou como o animal africano em seus domínios sendo mais agressivo e atordoando o “Canadian Kid” (Garoto Canadense) Molitor (33-2-0, 12 KO's) nos 2º e 6º assaltos. Os jurados viram 118-110 (duplo) e 116-110.

Mthalane castiga Casimero por título mosca da FIB

Moruti Mthalane / (Foto: Divulgação)

Na preliminar de Takalani Ndlovu e Steve Molitor em Joanesburgo, na África do Sul, Moruti Mthalane, 28, manteve o título dos moscas (50,8 kg) da FIB frente ao filipino Johnriel Casimero, 21, com um nocaute técnico no 5º assalto. A troca de golpes foi intensa, mas Mthalane (27-2-0, 18 KO's) soube se impor a Casimero (14-2-0, 8 KO's).

Susi Kentikian mantém título mosca WIBF

Susi Kentikian e Ana Arrazola / (Foto: Witters)

A armênia-alemã Susi Kentikian, 23, manteve o domínio do ringue e continua campeão da Women's International Boxing Federation (WIBF) dos moscas (50,8 kg) ao superar a mexicana Ana Arrazola, 29, em combate de ontem no Universum Gym de Wandsbek, Hamburgo na Alemanha em preliminar dos pesados Alexander Dimitrenko que venceu Albert Sosnowski.

Kentikian (28-0-0, 16 KO's) é tida como uma das melhores pugilistas do mundo independente de peso e este fato se confirmou ao seu ágil jogo de pernas e seus golpes fortes. Ana Arrazola (19-6-3, 16 KO's) foi praticamente conduzida na dança que terminou em sua derrota por 99-90, 98-92 e 97-92.

Dimitrenko desmaia Sosnowski com um uppercut

Albert Sosnowski (dir.) e Alexander Dimitrenko (esq.) / (Foto: Eroll Popova)


O uppercut do ucraniano radicado alemão Alexander Dimitrenko, 28, desmaiou o também peso pesado da polônia Albert Sosnowski, 32, no último round do combate disputado ontem em Hamburgo na Alemanha.

Dimitrenko (31-1-0, 21 KO's) começou “de bobeira” e não soube utilizar seus 2,01m dando terreno para Sosnowski (46-4-1, 28 KO's) que colocou golpes eficientes em seu corpo e jogava no infight agarrando muito o ucraniano no embate.

O controle do combate veio no 5º round com combinações coordenadas, mas Sosnowski ainda se mantinha em pé mesmo levando porradas fortes. O uppercut da vitória veio no round derradeiro e a vítima teve atendimento médico e levou tempo para sair do ringue. Com esse resultado Sosnowski provalmente cairá na tabela, enquanto, Dimitrenko pode sonhar em desafiar os irmãos Klitschko e David Haye pelos títulos mundiais em poder do trio.

Pirog da Rússia quase perde título mundial médio OMB para argentino Javier Maciel

Dmitry Pirog / (Foto: Ethan Miller - Getty Images)


O russo Dmitry Pirog, 30, teve dificuldades para manter o título dos médios (72,5 kg) da Organização Mundial de Boxe (OMB) e quase o perdeu para o argentino Javier Maciel, 26, terminando a luta com uma vitória por pontos ontem na Rússia.

Maciel (18-2-0, 12 KO's) mostrou porque a escola argentina é uma das mais fortes no mundo e tirou Pirog (18-0-0, 14 KO's) de sua zona de conforto o fazendo se esforçar muito para defender o título obtido com um nocaute sobre o americano Daniel Jacobs na temporada passada. O boxeador residente começou a dominar o combate depois do 8º assalto e os jurados viram sua vitória por 115-112, 117-111 e 115-111.





sábado, 26 de março de 2011

75 anos de um campeão e homem público

Éder Jofre na câmara legislativa municipal / (Foto: Ag de Notícias)


Hoje Éder Jofre completa 75 anos. Sem dúvidas é um dos maiores heróis do esporte mundial, foi o maior peso galo da história sendo campeão do mundo e conquistou também o título mundial dos penas.

Porém, há uma passagem em sua vida que é pouco comentada, mas mostra a sua preocupação pelo semelhante. Éder foi vereador por São Paulo durante o final dos anos 1980 e início da década passada. Começou no PSD (hoje PP) de Jânio Quadros e rumou para o PSDB por não tolerar a politicagem do cacique e ter mais afinidades com as ideias da Social-Democracia e líderes como André Franco Montoro e Mário Covas.

Durante a gestão de Paulo Maluf (PP) na prefeitura de São Paulo, o Galo de Ouro bateu de frente com o prefeito ao defender um fundo de renda para as vítimas da enchente que era vetado pelo representante municipal. Infelizmente até hoje os cidadãos ainda sofrem com as chuvas e o tio de Éder, Ralph Zumbano que foi deputado estadual militou pela mesma causa décadas antes.

Poucos políticos aceitam encarar Maluf, muitos o temem e não sabem se vão precisar de seu apoio no futuro. Mesmo com a imagem abalada pelas reportagens feitas, Maluf é uma força a ser levada em consideração na política nacional. Covas e Jofre estão entre os poucos que toparam esse desafio.

A carreira nos ringues de Éder foi uma das mais grandiosas de todo meio esportivo, mas suas atividades de terno e gravata com a caneta não mão também devem ser consideradas. Muitos da dinastia Zumbano-Jofre tem consciência política progressista e buscam melhorar a sociedade na qual vivem.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Michael Oliveira conquista título interino latino CMB no Brasil

Abel Adriel (esq.) e Michael Oliveira (dir.) / (Foto: Gazeta)


O brasileiro radicado americano Michael Oliveira, 20, conquistou há pouco o título interino latino do Conselho Mundial de Boxe na categoria supermédio (76,2 kg) ao bater por decisão unânime o argentino Abel Adriel, 21, em luta efetuada no lotado Ginásio do Ibirapuera na capital paulista com transmissão da SporTV. As plaquetas apontaram 97-93, 98-92 e 98-92.

É a segunda luta do brasileiro em sua pátria nativa, pois construiu sua carreira nos E.U.A, porém ao contrário do embate com o dominicano Junior Ramos o qual passou o carro no 3º round com um nocaute técnico, encontrou um adversário vindo de uma escola mais forte da nobre arte.

Michael (13-0-0, 11 KO's) lembra em alguns momentos aquele aluno da classe que tem potencial, mas se perde em brincadeiras, tanto que entrou no jogo de provocações do argentino, mas não mostrou medo diante a um adversário duro, alguns argentinos que vêm ao Brasil são carne de 2ª, o que não acontece com Adriel (10-1-0, 2 KO's).

A guarda baixa também deixa Michael exposto à golpes e Adriel buscou lutar bem próximo e de jeito manhoso tentando abalar o psicológico do atleta nacional, porém a pancada do brasileiro fez a diferença e deixou o rival zonzo no 8º round tanto que se apoiou em Michael para não perder o equilíbrio.

Acompanhado pelo cruzador Lino Barros, e pelo instrutor de boxe Aparecido José da Silva, o "Cido" e pelo técnico Paco, Michael conquistou o cinturão e teve sua vitória anunciada pelo locutor André Luís que se mostrou imparcial e respeitoso ao lutador visitante.

O jovem campeão após o embate recebeu um menino portador de necessidades especiais em seu colo e dedicou a ele a vitória. É notável que Michael e seu pai Carlos Oliveira – promotor do evento - têm um lado progressista voltado para projetos sociais com pessoas como problemas físicos e socialmente e financeiramente carentes.

O evento teve também a estreia do aluno de Cido, o "Good Boy" Douglas Ataíde no profissinal que venceu Valdevan Pereira e teve participação da escola de samba Mancha Verde trazendo um têmpero brasileiro ao evento e que agitou os tambores no último e decisivo round.

Para abrir a reunião o maestro João Martins tocou o hino nacional. O músico tem profunda admiração pelo boxe e comentou em entrevista ter tido como uma de suas inspirações o ex-bicampeão mundial e 9º pugilista na lista de melhores de todos os tempos da Ring Magazine, Éder Jofre do Brasil que amanhã completa 75 anos.

Martins era pianista e sofreu um acidente em suas mãos que o afastou do instrumento, mas não da música sendo reconhecido como um dos melhores interpretes do compositor alemão Bach em todo mundo. Ainda estiveram presentes o ex-tetracampeão de boxe Deputado Popó e o ator Malvino Salvador.

Mike Tyson lança game para iPhone

Michael Oliveira encara Abel Adriel hoje no Ginásio do Ibirapuera

Michael Oliveira (esq.) e Abel Adriel (dir.) / (Foto: Rafael Vergueiro)


O brasileiro radicado americano Michael Oliveira encara hoje (sexta-feira) o argentino Abel Adriel, pelo título latino supermédio (76,2 kg) interino do Conselho Mundial de Boxe.

Hoje a dupla de latinos passou pela pesagem oficial com Oliveira marcando 75,9 kg e Adriel com 75,5 kg. Oliveira foi chamado pelo jornal O Estado de S.Paulo como "maior esperança do boxe brasileiro".

A visão do brasileiro é usar esse embate de 10º rounds para atrair outros maiores. É a segunda luta sua no país, ano passado derrotou o dominicano Junior Ramos.

Nas preliminares lutam os amadores Jackson Junior com Adauto Silva (52 kg), Gilson Barros pega Jefferson Silva (56 kg) e Douglas "The Good Boy" Ataíde encara Valdevan Pereira.

No final de semana Michael Oliveira mostrou seu lado altruísta ao visitar o projeto social coordenado pelo técnico e comentarista de boxe Sidnei Dal Rovere em Hegiopólis, uma das regiões mais pobres de São Paulo, e participar de uma sessão de sparring com o ator Malvino Salvador que já interpretou um boxeador nas telenovelas globais.

Informações:
Rua Abílio Soares, N.º 1300
Moema, São Paulo
18h45

quinta-feira, 24 de março de 2011

Palestra de Edson Foreman sobre fair play para estudantes do ensino fundamental










Hoje na Sociedade do Espetáculo na qual vivemos, heróis são aqueles que expõem suas vidas privadas em busca de holofotes e não aqueles que se doam ao próximo. Por esse ótima pugilistas que pensam apenas no ouro são vistos como exemplos e aqueles que buscam levar valores seja nas transmissões televisivas do mundo ou pra própria comunidade não ganham muito destaque.

Há uma inversão de valores, entretanto, mesmo assim membros da sociedade continuam preocupados em encontrar formas de melhorá-la. Um deles é o pugilista paranaense Edson Foreman que em 2010 protagonizou a luta da temporada com Lino Barros em um espetáculo orquestrado pelo empresário Thomas Cabrera na capital Paulista.

Em 2010, Foreman conversou com os alunos do Cólegio Estadual Professor Algacyr Munhoz Maeder (C.E.P.A.M.M) em palestra organizada pelo C.E.P.A.M.M.- Colégio Estadual Professor Algacyr Munhoz Maeder. Prof. Carlo Vicente Ramirez. O tema do bate-papo: "fair play" (jogo limpo).

A participação de Foreman no debate escolar mostra uma necessidade do esporte como ferramenta de mobilização social. É construtivo levar seus ídolos sejam mundiais ou locais para fazer palestras e conversar com crianças, jovens e atletas de base. Campeão não é só aquele com uma cinta de couro e metal dourado cobrindo a cintura.

Vídeo mostra resumo da vitória de Arias



No último final de Semana o brasileiro George Arias, 36, defendeu seu título sul-americano frente ao argentino Lisandro “El Carnicero” Diaz, 33, com um nocaute técnico no 2º round na casa do rival na cidade de Buenos Aires. O cartel de Arias agora é de 49 vitórias, 35 vitórias e 11 derrotas.

Nota: Este vídeo chegou ao meu conhecimento por indicação de André Cardoso.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Entrevista com Letícia Candal

Letícia Candal / (Foto: Arquivo Pessoal)


A brasileira Letícia Candal, 31, disputará o título feminino dos meio-médios da Women's International Boxing Association contra a sua dona Jessica Balogun, 22, da Alemanha no país da rival no dia 2 de abril. Assim como tantos pugilistas do país de Éder Jofre, Candal (6-1-0) encara o desafio com um currículo menor e tendo a oponente como favorita, entretanto, há uma diferença dela para seus colegas.

A carreira da curitibana foi construída em solo espanhol, tanto que poucos falam de seu nome na imprensa local e até mesmo especializada. Esse fato nunca a preocupou, e ao invés de buscar atenção da imprensa usando a beleza prefere manter seu foco nos ringues e em sua vida pessoal. Letícia conta um pouco de si e de seu grande desafio frente a Balogun (18-1-0, 8 KO's) ao Córner do Leão.


Como foi seu ingresso no boxe? Antes treinou outra modalidade?

Comecei a treinar muay thai com 14 anos de idade na academia Chute Boxe em Curitiba, minha cidade natal, aos 20 anos me graduei faixa preta com o mestre Rafael Cordeiro.
Quando cheguei na Espanha recomecei os treinos muay thai, onde tive oportunidades participar de lutas do próprio muay thai, kickboxing e mais tarde conheci meu treinador de boxe, Patrick Rubes, que me chamou para iniciar uma carreira no pugilismo, pois achava que eu tinha grandes qualidades como boxeadora.

O que a levou a deixar o Brasil?

Eu e meu marido saímos do Brasil em busca de novos conhecimentos e oportunidades, viemos para Tennerife , nas Ilhas Canárias na Espanha, por ser um lugar de praia e com um ótimo clima além de ter altas ondas onde poderíamos surfar que é uma de nossas paixões. O lugar nos conquistou e aqui construímos nosso lar. Mas pretendemos daqui uns anos voltar para o Brasil.


Como tem sido sua preparação para encarar Jessica Balogun?

Estou me preparando há três meses, nos quais tenho me dedicado a correr todos os dias, musculação como complemento, muito saco e manoplas, exercícios técnicos e muito, mas muito sparrings, sempre com atletas experientes e sempre homens.

Balogun tem um currículo mais rodado que o seu. Tem receio de ser vista como escada pela rival e promotores do evento?

Pode ser que seja essa a intenção dos promotores, mas eles vão se surpreender! Eu não tenho nada a perder e vou agarrar essa oportunidade com unhas e dentes.


O que ficou de lição após sua única derrota que foi para Myriam Chomaz?

Essa derrota foi devido a um impacto da cabeça da Myriam contra meu rosto, já no primeiro assalto, o que ocasionou um grande inchaço debaixo do meu olho, mais adiante no início do quinto assalto meu olho estava fechado e o médico decidiu parar a luta dando a vitória a Myriam Chomaz, até esse momento eu estava ganhando por pontos.

Nessa mesma luta, no segundo assalto,outro impacto abriu o supercílio dela, mas o promotor do evento que era o mesmo de Myriam, pediu pro médico seguir o combate.

A experiência foi muito grande, pois lutar em outro pais, na casa do adversário, com TV ao vivo, tendo que baixar muito de peso me trouxe conhecimentos os quais me ajudaram a ser a atleta que sou hoje.

Pouco tem se falado na imprensa brasileira e até mesmo na voltada para lutas sobre seu desafio pelo título da WIBA. O que sente ao pensar nisso? O Brasil respeita seus atletas?

Quero ir e ganhar, não me importa se a imprensa fala ou não fala, isso não mudará o meu objetivo. Como não moro no Brasil a quase 8 anos e iniciei minha carreira com mais frutos aqui na Europa, estou acostumada a não ver noticias minhas na imprensa brasileira. Em qualquer lugar conseguir viver do esporte é difícil, mesmo na Espanha, onde tenho que conciliar o trabalho com os treinos.

Como é o tratamento para as boxeadoras na Espanha?

O boxe feminino em geral é muito difícil, não tem muitas mulheres e poucas são as oportunidades, ainda mais sendo estrangeira, pois tem alguns títulos que não podem ser disputados como Espanhol, ou Europeu, o que serve de gancho para mundiais, por exemplo.

A beleza ajuda uma pugilista nos bastidores do esporte?

Acho que o importante é a atuação no ringue, mas o cuidado com a aparência sempre é importante, pois a imagem ajuda a passar uma boa impressão, assim como a humildade, respeito e boa educação dentro e fora dos ringues.

terça-feira, 22 de março de 2011

Para Boxrec Pedro Otas é o novo nº1 entre os meio-pesados brasileiros

Pedro Otas / (Foto: Divulgação)


Pugilista desceu de cruzador para nova categoria e passa Ratinho e Pit na classificação do site

Pedro Otas já foi peso pesado, categoria na qual teve boa parte de suas vitórias, seguiu para a cruzador (90,7 kg), mas agora luta entre os meio-pesados (79,4 kg) e o respeitado site Boxrec que traz o cartel de boxeadores do mundo todo o classificou como o nº 1 do Brasil, 6º da América Latina e o coloca na posição de 41º do mundo ficando na frente de nomes do boxe brasileiro como Marcus “Ratinho” Oliveira e Alexsandro “Pit” Cardoso.

As mudanças na vida de Otas, que já teve seu estilo comparado ao lendário campeão Rocky Marciano, começaram ano passado. A lesão que perturbava sua mão direita foi sanada e agora o mesmo tem um estilo de boxear mais refinado investindo em técnica e não apenas na força dos punhos como foi no início de carreira.

“Estou muito feliz, pois é fruto de um trabalho que estamos realizando há muito tempo”, declara Otas que vê a mudança como um caminho natural, o peso tem sido perdido devido aos fortes treinamentos no CT de Santana de Parnaíba.

A notícia foi divulgada pelo site do próprio lutador que agora investe em comunicação e tem assessoria feita por Eduardo Passos além de manter como empresário o Sr. Eduardo Melo Peixoto que coordena a carreira de nomes como Irineu “Negro Tei” Beato Jr., Alexsandro “Pit” Cardoso, William “Baby Face” Silva e Josenilson Santos.

Exames comprovam lesão de Solis

Solis / (Foto: Public Address)


Cirurgia será na quinta-feira

O médico Jorgen Michael afirmou que há muito não via um joelho tão comprometido como o do pugilista cubano Odlanier Solis, 30, que sofreu uma ruptura de ligamento cruzado anterior, lesão da cartilagem articular e rompimento do menisco durante seu embate desafiando pelo título mundial dos pesados do Conselho Mundial de Boxe em poder do ucraniano Vitali Klitschko na Alemanha no sábado passado.

Na cidade de Colônia, mesma na qual lutou, internado no Hospital Universitário, Solis (17-1-0, 12 KO's) comenta: “nem mesmo senti o golpe que me atingiu e que certamente não me derrotaria. Prometo estar de volta ainda mais forte. E se tiver uma segunda chance ganharei o título”. O cubano afirma que percebeu algo errado quando perdeu o equilíbrio e foi de encontro a lona.

Agora Solis e seu promotor Ahmet Öner pensam em revanche, principalmente após verem que a tática de empreender movimentos circulatórios em torno do campeão, velocidade nos punhos aliada a golpes no corpo e bloqueios a uma das únicas armas de Klitschko, o jab, colocou o cubano em vantagem até o término precoce do embate. A junta médica afirma que o cubano antes de entrar no ringue já tinha problemas no joelho.

Luta de Namús é anulada a pedido do governo uruguaio

"A luta de sábado foi uma vergonha", afirma Ministro do Turismo do Uruguai


Chris Namús / (Foto: Observa)

Segunda-feira à noite a Federação Uruguaia de Boxe resolveu anular a luta de sábado entre a uruguaia Chris Namús e a espanhola Loli Muñoz, pelo título da World Profesional Boxing Federation em posse da lutador da casa, porém o mesmo continua com ela por hora.

O empresário Juan María Vanrell assegurou ao períodico Observa que a decisão foi tomada a pedido do governo por meio do Ministério de Turismo e Esportes. “O governo aconselhou que a Federação declarasse a luta anulada, pois era a única medida a ser tomada. Agora a pugilista espanhola pode, se quiser, apelas diante a Federação”, afirma Vanrell.

“Comprovadas as irregularidades se declara a luta anulada. Porém, não pode tirar o cinturão de Manús e dá-lo para Muñoz. Mas, ela tem todo o direito de apelar porque as irregularidades são muito graves. Terminar a luta 30 segundos antes do final é algo sem precedentes. Já se teve boxeadores mordendo os outros, agredindo árbitros, mas não lembro de nada igual”, aponta Vanrell.

“Os jurados não compõem a questão central, podem dar um ponto a mais ou a menos conforme seu livre arbitrio, mas o que o árbitro (Anibal Andrade) fez é inconcebível”, declarou Vanrell em referencia a como o árbitro Anibal Andrade se entrepôs as pugilistas durante os piores momentos de Namús praticamente a segurando em pé. Podem haver sanções para os jurados e para o árbitro, mas não para a Federação.

Outra decisão da Federação é não permitir lutas em que árbitro e jurados sejam uruguaios. Essa decisão foi tomada em comum acordo com a diretiva da Federação presidida por Rúben Mea e começará a funcionar nesta sexta-feira.

Em respeito a polêmica luta o diretor geral do Ministério de Turismo do Uruguai, Antonio Carámbula, postou em seu Twitter que “a luta de sábado foi uma vergonha” e que a Secretária de Estado espera da Federação “medidas e sanções”.

O resultado foi injusto para a espanhola, pois depois do 5º round dominou a luta impondo severo castigo a uruguaia deixando marcas em seu rosto que diferente do seu ficou bem amassado. Namús durante o último round cuspiu o protetor bucal para ganhar tempo, como fez contra a brasileira Adriana Salles ao obter o título em outubro do ano passado. Ainda por cima teve ajuda de Aníbal Andrade para não ir de encontro a lona que a segurou como um pai ampara uma criança.

O resultado da luta foi 97-93 para Namús conforme Freddy Sosa, 95-95 de Enrique Vales e Hugo De León viu 96-95 para Namús.

domingo, 20 de março de 2011

Rosilete pulveriza Aranda em 11 segundos

Gabriela Aranda (esq.) e Rosilete (dir.) / (Foto: Divulgação)


Rosilete dos Santos, 34, concluiu seu encontro com a argentina Gabriela Aranda, 21, em apenas 11 segundos na noite de sábado durante as comemorações do aniversário de 321 anos de sua cidade adotada São José dos Pinhais, no Paraná. A luta valeu como defesa do cinturão mundial dos galos (53,5 kg) da World Boxing Comission – agremiação de 2ª ordem –.

O embate com Aranda (5-2-0, 5 KO's) teve casa cheia no Ginásio Ney Braga que ainda recebeu oito lutas preliminares. Rosilete (23-5-0, 14 KO's) que é treinada pelo marido e ex-pugilista Macaris do Livramento é a 4º do ranking do Conselho Mundial de Boxe e 7º da tabela da Associação Mundial de Boxe.

“Eu não esperava uma luta tão rápida, mas me preparei muito. Treinei muito forte para vencer. Me senti a verdadeira menina de ouro nesta luta. E foi especial por fazer uma disputa de cinturão no aniversário de São José dos Pinhais. Vou continuar trabalhando porque outros desafios difíceis virão pela frente”, comemorou Rosilete.

Macaris ao ver a esposa vitoriosa, lembrou a imprensa da dificuldade que teve em sua carreira e agradeceu aos órgãos municipais por ajudar o pugilismo. Recentemente o casal entrou em contato com o secretário de esportes de Curitiba Marcelo Richa (PSDB-PR) e seu pai o governador paranaense Beto Richa (PSDB-PR) para desenvolver programas que levem o boxe a comunidades carentes.

Rosilete ambiciona um título das quatro grandes entidades que regem o pugilismo profissional (FIB, CMB, OMB e AMB), principalmente o da mexicana Ana Maria Torres, campeã peso mosca CMB. Porém, para isso terá de encarar adversárias de maior poder de fogo antes de se deparar com uma potencial mundial.

Um entrave é a falta de apoio por parte do setor privado. Os órgãos públicos podem ceder espaço de treinos e estrutura, mas o patrocínio para atletas profissionais em esportes que envolvem bolsas de aposta geralmente são oriundos de empresas privadas.

Por exemplo, para enfrentar uma pugilista de renome no cenário internacional Macaris e Rosilete precisam que alguém aceite pagar sua bolsa, e esse preço geralmente é caro aos padrões dos pugilistas brasileiros que praticamente pagam para lutar. Rosilete tem ferramentas, mas precisa de financiamento.

Rosilete / (Foto: Divulgação)

Bute atua como cirurgião e disseca Magee em 10 rounds

Lucian Bute (em pé) e Brian Magee (caído) / (Foto: Tom Casino - Showtime)

O supermédio (76,2 kg) romeno radicado no Canadá, Lucian Bute, 31, atuou como um cirurgião e dissecou o britânico Brian Magee, 35, de tal forma que suas luvas pareciam bisturis e o tirou da contenda no 10º round com um nocaute para manter o título mundial de sua categoria pela Federação Internacional de Boxe (FIB) na cidade de Montreal, dentro da província de Quebec no Canadá.

O combate teve início disputado, mas Magee (34-4-1, 24 KO's) aplicou um forte golpe contra Bute (28-0-0, 23 KO's) no 3º round. Mas, a partir do 4º round, Bute mostrou porque é o melhor da categoria e dominou o ringue como um verdadeiro general bombardeando o desafiante no 6º e 7º assalto tanto que caiu em ambas passagens. Na última o árbitro Pete Podgorski estava de costas e considerou golpe baixo.

Um uppercut foi a incisão final do bisturi que anestesiou Magee, mas como o britânico é forte não desmaiou, e encerrou a peleja no 10º assalto mantendo o título dos supermédios da FIB com Lucian Bute e obrigando o árbitro a encerrar o embate aos 2 minutos e 4 segundos.

“Nenhum atleta quer parar o combate, mas ele (o árbitro) agiu em minha proteção”, declarou Magee ao reconhecer a atuação de Podgorski. Bute tem com o resultado de sábado seu 5º nocaute consecutivo e mantém a invencibilidade.







Lucian Bute e Brian Magee (Foto: Tom Casino - Showtime)

Chris Namús mantém título da WPBF em luta polêmica

Chris Namús / (Foto: Ovación)


A uruguaia Chris Namús, 23, manteve seu título super-leve (63,5 kg) em sua 1ª defesa ao bater a espanhola Maria Dolores “Loli” Muñoz, 34, com uma polêmica decisão dividida em combate efetuado no Palacio Peñarol, em Montevidéu, no Uruguai.

Namús (15-1-0, 6 KO's) começou bem o embate colocando golpes de esquerda para desequilibrar a desafiante, mas depois teve que enfrentar uma aguerrida Loli Muñoz (9-9-1, 6 KO's) que conseguiu colocar a campeã nas cordas e esta por sua vez apresentou cansaço físico.

Apesar de não ter um cartel fenomenal, a experiência de Muñoz foi influente no encontro e intimidou Namús e após a esmurrá-la nas cordas a deixou cambaleante e esta foi segurada pelo árbitro Anibal Andrade que já prejudicou Adriana Salles do Brasil em fevereiro do ano passado quando Namús conquistou o então vago cinturão da WPBF.

A polêmica se deu com a divulgação do resultado. O árbitro Hugo de Leon viu 96-95 para Námus, Fredy Sosa apontou 97-95 também para a combatente da casa, enquanto, Enrique Vales deu empate de 95-95. Muñoz e seu treinador se retiraram do quadrilátero com o resultado.

O papelão não foi de Namús, mas sim do árbitro Anibal Andrade. A boxeadora seguiu com sua luta, claro poderia ter reconhecido a rival, mas o principal culpado é Andrade que foi parcial em sua atuação e é um fato já recorrente em sua carreira.

Gonzalez mantém título minimosca AMB frente a Vargas

Román Gonzalez (esq.) e Manuel Vargas (dir.) / (Foto: Rafael Soto - Zanfer)


O nicaraguense Román “El Chocolatito” Gonzalez, 23, manteve no México frente ao lutador local Manuel “Chango” Vargas, 29, a coroa minimosca (48,9 kg) da Associação Mundial de Boxe (AMB) com uma vitória por decisão unânime dos jurados em combate efetuado na cidade de San Pedro Cholula, no estado de Puebla.

Gonzalez (28-0-0, 23 KO's) começou dominando, mas Vargas (29-8-1, 14 KO's) defendeu seu território, afinal, é um ex-campeão mundial. O nicaraguense reconheceu que Vargas “nunca se rendeu e procurou atacar”, mas lembra que estava bem preparado e soube aplicar sua estratégia.

O rosto de Vargas ficou com pequenas feridas, mas o mexicano não caiu em nenhum momento. As papeletas dos jurados apontaram 116-112 (duplo) e 119-109.

Guillermo Rigondeaux vence no 1º round

Guillermo Rigondeaux (em pé) e Willie Casey (caído) / (Foto: BBC)


O cubano Guillermo Rigondeaux, 30, implodiu o irlandês Willie Casey, 29, com um nocaute técnico no 1º assalto para manter o título interino da Associação Mundial de Boxe dos supergalos (55,3 kg) na capital irlandesa, Dublin.

O cubano Rigondeaux (8-0-0, 6 KO's) que já superou o brasileiro Giovanni Andrade explica que no embate de sábado não imaginava “acabar com o combate tão rapidamente”. Casey (11-1-0, 7 KO's) quis crescer aproveitando o fato de lutar em casa e partiu pra cima logo ao soar o gonog, mas os golpes duros do latino o surpreenderam e foi a lona.

Casey conseguiu bater a contagem, mas ao voltar para o certame foi abatido uma 2ª ves com uma potente esquerda no rosto, mesmo abalado mostrou coragem ao voltar, mas acabou vítima de um combo de socos que fez o árbitro Stanley Christodoulou acabar com o espancamento aos 2 minutos e 38 segundos.

Rigondeuax é conhecido pelos brasileiros por ter junto de Erislandy Lara desertado da equipe cubana nos Jogos Pan-Americanos do Rio em 2007 e ter sido devolvido com agilidade em uma ação conjunta do governo federal e forças chavistas da Venezuela.

Ao entrar no ringue e nas fotos é possível notar a vontade de Rigondeaux em seu olhar que assim como outro refugiado cubano que reside em Miami no universo da ficção Tony Montana do filme Scarface (1983) interpretado por Al Pacino, Rigondeaux "vive o sonho americano com vingança". Neste sentido Rigondeaux é o Tony Montana do boxe.

sábado, 19 de março de 2011

Luta de Vitali Klitschko e Odlanier Solis acaba no 1º round

Odlanier Solis e Vitali Klitschko / (Foto: Christof Koepsel - Bongarts - Getty Images)


O embate entre o ucraniano Vitali Klitschko, 39, campeão dos pesados pelo Conselho Mundial de Boxe e o desafiante cubano Odlanier Solis terminou há pouco no 1º assalto com vitória por nocaute técnico do europeu na cidade de Colônia, na Alemanha.

Com transmissão pela ESPN, os telespectadores brasileiros assistiram Klitschko (42-2-0, 39 KO's) encaixar a direita na cabeça de Solis (17-1-0, 12 KO's) que acusou ter sentido, escorregou e caiu alegando torção do joelho direito.

Conforme declaração do pesado brasileiro Raphael Zumbano que enviou mensagem ao canal, Solis sofreu um golpe no lado esquerdo da têmpora e nesta região o choque não precisa ser forte. Solis afirmou a imprensa que a lesão sofrida no joelho o impediu de prosseguir.

A plateia vaiou o cubano por acreditar que protagonizou uma marmelada em busca da bolsa, porém o jornalista e comentarista Eduardo Ohata lembrou durante a emissão que Solis já foi campeão olímpico e dificilmente faria tal papel.

As imagens da câmera mostraram a mão de Klitschko tocando quase que de raspão a cabeça de Solis. Para o jornalista Maurício Dehò do UOL praticamente não houve golpe.

Agora o fã de boxe e a crítica só pode esperar pelos resultados de exames. O último adversário de Vitali, o americano Shannon Briggs após o combate foi hospitalizado.

Solis ganhou a chance de desafiar o campeão ao bater ano passado o americano Ray Austin em luta promovida por Don King. No encontro o latino estava na vantagem, porém Austin perdeu a cabeça e foi desclassificado da competição.

A Carnificina Total do Carniceiro

George Arias / (Foto: João Pires)


O pesado brasileiro George Arias, 36, usou da sua defesa que é considerada a melhor do Brasil aliada com estratégia, técnica e preparação física para exterminar o argentino Lisandro “El Carnicero” Diaz, 33, por nocaute técnico no 2º assalto para manter o título sul-americano em combate efetuado na Asociación Atlética Argentinos Juniors em Buenos Aires, na Argentina.

Os ganchos unidos com os cruzados retalharam o rosto do Carnicero Diaz (19-11-1, 15 KO's) no 1º assalto. No 2º giro Arias (49-11-0, 35 KO's) colocou uma potente direita para cortar o nariz do rival que então pareceu vestir uma máscara de sangue e o árbitro interrompeu a peleja para que os médicos conferissem a gravidade do ferimento.

Diaz voltou agressivo para terminar o embate sabendo que era sua chance estando ferido, mas Arias assim como um tubarão branco sentiu sangue na água, ou melhor, ringue e partiu com tudo encurtando a distância e o colocando nas cordas cortando-lhe neste momento a sobrancelha esquerda e uma fração de segundos após o córner do platino arremessou a toalha, porém o árbitro já decretara o nocaute técnico aos 2 minutos e 50 segundos.

Lisandro Diaz, o Carniceiro, após ser vítima de uma verdadeira carnificina recebeu mais um atendimento médico por um longo período. Segundo o site de Reinaldo Carrera, o argentino Fabio “La Mole” Moli poderá ser o futuro oponente de Arias.

Kirkland arrepia Berrio

James Kirkland e Jhon Berrio / (Foto: Big Joe Miranda)


A demolição veio no 2º assalto

Foram necessários apenas dois rounds para o peso médio (72,6 kg) americano James Kirkland, 27, acabar com Jhon Berrio, 25, da Colômbia na luta de ontem em Costa Mesa, Califórnia, nos E.U.A.

No 1º assalto o embate foi competitivo e Berrio (15-9-0, 11 KO's) até surpreendeu, mas na 2ª etapa Kirkland (27-0-0, 24 KO's) se impôs como uma força da natureza que colocou um bom golpe no corpo de Berrio que curvou o joelho e perdeu na contagem do árbitro.

Berrio teve a atitude desaprovada pelo público que acreditava ser possível regressar ao embate, Eric Gomez, matchmaker da Golden Boy Promotions que é responsável pela reunião fez pedido para a Comissão Atlética do Estado da Califórnia para analisar a atitude do colombiano e se necessário reter parte da bolsa.

Kirkland fez seu terceiro combate em liberdade condicional no período de um mês. O americano ficou preso por dois anos e alguns meses em uma clínica de recuperação. Em abril de 2009 foi preso por porte de arma e há 8 anos foi pego por assalto a mão armada pelo qual ficou 30 meses no cárcere.

Yesica Marcos defende pela 2ª vez título interino supergalo da Associação Mundial de Boxe

Yesica Marcos (dir.) e Maria Miranda (esq.) / (Foto: Patricio Caneo)


A argentina Yesica “El Bombón Asesino” Marcos, 25, reteve pela segunda vez o título interino da Associação Mundial de Boxe supergalo (55,3 kg) com uma vitória sobre a colombiana Maria “La Pantera” Miranda, 26 no Anfiteatro Municipal da cidade de San Martin, na província de Mendoza no país da campeã.

Yesica (17-0-1, 5 KO's) viu uma adversária com força de vontade em Miranda (13-6-0, 8 KO's), o que a impediu por pouco de impor o nocaute no 4º e depois no 6º assaltos. Os golpes no fígado minaram a colombiana.

Uma lesão na mão direita de Yesica deu chance para Miranda mostrar reação, mas logo foi rechaçada. As papeletas apontaram vitória por 98-92 (duplo) e 100-90. Assim continua campeã do título que obteve ao bater a brasileira Simone Duarte em abril do ano passado.

Solomón bate Demetrius Hopkins

Brad Solomón / (Foto: ATLFightSports.com - C.J Hernandez)


O americano Brad Solomón, 27, bateu o conterrâneo Demetrius Hopkins, 30, por pontos na noite de ontem em combate para manter pela 3ª vez o título Internacional da Associação de Boxe (AMB) dos meio-médios (66,6 kg) efetuado em Hollywood, na Flórida (não é a Hollywood do Cinema), nos E.U.A.

Conforme Reinaldo Carrera da Liga Paulista de Boxe foi a eficiência nos golpes e contragolpes que favoreceram Solomón (17-0-0, 7 KO's) sobre Demetrius (30-2-1, 11 KO's) que é sobrinho do ídolo Bernard Hopkins. O vencedor ocupa o posto de 1º no ranking da AMB, 6º no Conselho Mundial de Boxe e 7º para a Organização Mundial de Boxe, a vitória veio por decisão unânime de árbitros que apontaram 97-93 e 99-91 duplo.

Na preliminar o ex-campeão mundial dos pesados pelo CMB Oliver McCall, 45, dos E.U.A foi derrotado por seu compatriota, 41, também veterano, em decisão unânime dos jurados. McCall (55-11-0, 37 KO's) foi vítima de vários ganchos e combos de Boswell (34-1-0, 26 KO's) que foi apontado pelos jurados com o placar de 99-91, 99-92 e 98-92.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Artigo: O boxe de ontem e hoje

O Córner do Leão cede este espaço para a publicação do Artigo "Boxe é Boxe" do professor de pugilismo Paulo Mendes de Maceió, Alagoas. As opiniões expressadas são de autoria do autor.

PRODUÇÃO DE TREINADORES E LUTADORES EM IGUAIS PROPORCÕES: UM TEMA PARA A REFLEXÃO

Deveríamos aproveitar melhor nossos Professores de boxe, principalmente aqueles que já possuem vasta experiência na Nobre Arte e que, incansavelmente, estão na estrada e ainda se encontram com todo o pique, para transmitir seus conhecimentos e suas experiências de vida.

Acredito que, vários de nossos, reais e efetivos professores de boxe, estão em rota de fuga de suas atividades, uma vez que, repetidamente, deparam-se, cada vez mais, com pretensos atletas, que já se enxergam, professores também. Estes “atletas-professores” da era da internet, pensam e acreditam, que ao assistirem vídeos e lerem artigos de boxe vinculados na rede, já conhecem o suficiente sobre qualquer atividade e/ou assunto que resolvam se dedicar e abordar.

Especificamente, em meu caso, não tenho mais estômago para ouvir tanta atrocidade, devaneios, e opiniões, sem quaisquer embasamentos técnico-científicos e totalmente despojadas de lógicas, destes indivíduos, que se auto intitulam professores e/ou atletas de boxe.

Infortunadamente estes pseudo-atletas sempre se mostram arrogantes e prepotentes, desmerecem e desvalorizam o verdadeiro conhecimento, o verdadeiro atleta, o verdadeiro professor - aqueles formados em Educação Física e que sempre estão se especializando na busca de um melhor desenvolvimento da Nobre Arte e aqueles que, apesar da impossibilidade de iniciarem o curso superior, se especializam, na medida do possível, que foram atletas de respeito, tanto tecnicamente como ser humano, além de que, viveram os tempos áureos, das verdadeiras lutas, e participaram de competições e embates de grandes magnitudes, bem como, conhecem e gozam das amizades, dos nossos eternos e grandes campeões - ídolos do nosso Brasil, de fato e de direito.

Aproveito para informar e direcionar àqueles “sabichões”, já que são adeptos da Internet (“YouTube”, ou coisas do gênero), que aproveitem a rede e conheçam as lutas de grandes nomes do boxe mundial como Joe Louis, Rocky Marciano, Archie Moore, Muhammad Ali – Cassius Clay, Joe Frazier, George Foreman, Larry Holmes, Ken Norton, Sugar Ray Robinson, Jack La Mota, Roberto Duran, Sugar Ray Leonard, Thomas Heans, Marvin Hagler, Julio César Chaves e tantos outros e comprovem que as lutas de hoje, principalmente as de Pesos Pesados, são apenas ensaios de lutas e nem mesmo se parecem com os treinos de academia de outrora.

Prestem atenção, na diferença do volume (quantidade) e intensidade (força e velocidade) dos golpes desferidos por round, entre o boxe de ontem e o de hoje. Observem também, que as regras do boxe atual, com toda a justiça, buscam proteger a integridade física e psicológica do boxeador, mas em contrapartida, deixou nossos lutadores “acovardados”, sem o “sangue no olho”, sem a voluntariedade e coragem suficientes para “darem a volta por cima” e quiçá, reverterem lutas, que “pareciam” já consumadas como derrotas.

Tive o prazer de acompanhar lutas em que boxeadores, mesmo após sofrerem alguns knockdowns (quedas), na mesma peleja, conseguiram virar a luta e venceram seus pretensos algozes. Busquem as lutas de Archie Moore que sofreu 3 knockdowns, contra Yvon Durelle, mas venceu a luta por knockout e de George Foreman que sofreu 2 knockdowns, contra John Lyle e ganhou por knockout técnico, vejam o gancho de esquerda na mandíbula que Muhammad Ali sofreu de Joe Frazier na 1ª luta entre ambos e só se recompõe de um golpe deste, além dos inúmeros sofridos durante a luta, quem é verdadeiramente campeão e comprovem. Felizmente existem, outros tantos casos no boxe de outrora, que atestam minhas palavras.
Na verdade, sou admirador da Nobre Arte há muito tempo, principalmente daquela praticada entre os anos 40 e 90, salvo algumas exceções posteriormente a estas décadas. Portanto sou saudoso por grandes e verídicas “Pelejas”.

O boxe era o verdadeiro boxe, povoado dos melhores pugilistas que o mundo já teve oportunidade de ver e acompanhar. Época em que só existia uma e logo depois duas grandes entidades, que regiam o boxe no mundo. Todos os lutadores, que almejavam o título mundial, teriam que lutar de verdade, lutar contra os melhores. Era apenas um único, decisivo e verdadeiro funil, e só os campeões, de fato e de direito, conseguiam passar por ele.

A existência de tantas entidades, que regem o Boxe no mundo, é fruto de pura ganância humana por dinheiro, pois sendo assim, ocorreriam mais lutas por títulos mundiais e, por conseguinte, mais lutas por unificações de títulos entre essas diversas entidades, puro comércio, uma grande decadência. Como consequência desta avalanche de entidades, ocorreu inevitavelmente, o descrédito do boxe em nível mundial, e consequentemente, a diminuição do número de lutadores, espectadores e patrocinadores – tudo isso fruto de lutas arrumadas e de quinta categoria, bem como, de lutadores igualmente classificados.

As doze ou mais entidades, que regem nosso esporte no mundo, demonstram realmente, o puro mercantilismo e uma maneira mentirosa e rápida de adquirir lucros financeiros e fabricar campeões do engodo.

Desejamos uma remodelação do boxe ou um pouco da volta ao passado, uma vez que deixou de ser uma ‘esgrima’, que, passo a passo montava e confeccionava uma estratégia, na busca do objetivo final: o nocaute. Mediocremente, o boxe, principalmente o ‘amador’(olímpico), se transformou apenas, num esporte de “Marcação de Pontos”, com golpes, na maioria das vezes, sem maiores contundências e técnica apurada.

E o ‘boxe amador’(olímpico)! Será mesmo Boxe? Merece este nome? Que vergonha! Os “boxeadores” atuais, se é que podem ser classificados como tal, não sabem caminhar no ‘ringue’, apenas saltitam para o alto, para frente e para trás, sem ao menos saberem e perceberem, que existem outras direções para se deslocarem, provavelmente, eles não têm a ideia, de que o mundo é “tri-dimensional”. Também não têm ideia de que, devemos manter o contato de nossos pés com o solo, o maior tempo possível, portanto, como conclusão, devemos saltitar menos e caminhar mais, e se possível, bem próximo ao solo, o tablado do ringue.

A Biomecânica – ciência que estuda a mecânica humana, tanto em repouso, quanto em movimento, atesta que, o Centro de Gravidade do ser humano, está localizado, imaginariamente, no meio da pelve, ossos do quadril - ísquio, ílio e púbis. Atesta também que, quanto maior a região do corpo, em contato com qualquer superfície externa, maior será o equilíbrio corporal, esteja ele em repouso ou em movimento.

Concluímos, portanto que, estando com nossa pelve, bem próxima do chão e estando com a região plantar, sola dos pés, em contato maior e mais prolongado com o solo, certamente proporcionaremos maior equilíbrio ao nosso corpo e consequentemente a todos os fundamentos inerentes a “Nobre Arte” constituídos por ataque, defesa, eficiência e técnica.
Outra observação: Nossa base se faz através do nosso corpo e de nossos pés, se não os mantivermos próximos e em contato com o solo, onde estará nossa base?

Com relação aos golpes desferidos pelos lutadores, é um absurdo o que estamos presenciando. Só existem golpes em linha como jabs e diretos e para piorar, têm de ser desferidos apenas na cabeça. Já os golpes em ângulos cruzados, ganchos, hooks, upper-cuts, não existem, nem mesmo os direcionados à cabeça e muito menos os direcionados ao corpo como os hooks.

Nem os senhores jurados, nem as maquinetas utilizadas por eles, que seriam para computar os pontos a cada golpe lançado, não levam em consideração não pontuam os golpes em ângulos tanto à cabeça quanto ao corpo e nem os golpes em linha - golpes retos ao corpo, mesmo que esses atinjam e provoquem o nocaute do adversário.
Também não existe julgamento, nos quesitos referentes à defesa, eficiência e técnica, como se o Boxe só fosse fundamentado pelos ataques com golpes. O que seriam dos boxeadores, se estes outros três fundamentos não fossem levados em consideração? Provavelmente teríamos uma enorme carnificina, povoada de sucessivos, incontáveis e intermináveis óbitos.

Infelizmente, tive o desprazer de acompanhar uma luta ‘amadora’(olímpica), em que o boxeador nocauteou seu adversário com um “hook” de esquerda, na linha de cintura e nenhum dos 5 jurados anotou o golpe em suas maquinetas. Como pode o boxeador ser nocauteado, sem ao menos sofrer um único golpe? Pelo menos, não que tivesse sido visto e/ou computado pelos 5 jurados. E aí, como é que ficamos? Como o lutador caiu e perdeu por nocaute, se o golpe nem existiu?

Sem desmerecer outros esportes de luta e artes marciais, em especial o “Karatê Shotokan” e similares, que utilizam o sistema de “toque” para pontuar e vencer a luta. Creio que o ‘boxe amador’(olímpico), está se transformando em esportes de luta, que adotam este tipo de sistema. Observem vocês, que o próprio “Karatê Shotokan” e outros, já começaram a adotar o uso de luvas diferenciadas do boxe em seus combates, a fim de que, os golpes lançados busquem também, além da pontuação, o nocaute.

Não está acontecendo uma inversão de valores? O Boxe que buscava o nocaute em suas lutas, agora busca a Pontuação, e o “Karatê Shotokan” e similares, que estavam baseados na MARCAÇÃO DE PONTOS, agora também, além da Pontuação, querem o nocaute?


Peço aos leitores assíduos deste, principalmente aqueles, que militam no campo das artes marciais e dos esportes de luta, que aproveitem esta oportunidade, para lerem, questionarem, e fazerem uma análise crítica, sobre o que está sendo ensinado, aprendido e mostrado, nas academias e televisões de todo o mundo. Estará o “boxe” sendo o BOXE, em toda a sua essência e história?

quinta-feira, 17 de março de 2011

Rosilete é recebida pelo governador do Paraná Beto Richa

Rosilete dos Santos, Macaris do Livramento e Governador Beto Richa / (Foto: Divulgação)

A boxeadora Rosilete dos Santos, 35, campeã mundial da World Boxing Commision foi recebida ontem pelo governador do Paraná Beto rixa (PSDB) que a incentivou antes de seu embate com a argentina Gabriela Aranda, 21, no sábado dia 19 no aniversário de São José dos Pinhais.

Gabriela Aranda (5-1-0, 5 KO's) desafia Rosilete (22-5-0, 13 KO's) pelo seu título dos galos e espera surpreender a brasileira que é 4ª colocada no ranking do Conselho Mundial de Boxe e a 7ª no da Associação Mundial de Boxe.

No encontro com o governador Rosilete e seu esposo e treinador Macaris do Livramento apresentaram um projeto de construção de um Centro de Excelência do Boxe no município de São José dos Pinhais.

“A proposta é atender até 200 crianças, principalmente as mais carentes, além da população em geral ensinando o boxe. Queremos promover o esporte como um caminho para uma vida melhor. Eu mesmo fui menino de rua até os 14 anos e hoje, graças ao esporte, sou respeitado por todos e tenho acesso até ao governador”, declarou Macaris.

O casal tem aberto o contato com agentes da política local como Marcelo rixa (PSDB), secretário municipal de esportes de Curitiba e filho de Beto visando além da educação e formação dos jovens os Jogos Olímpicos de 2016 que serão no Rio de Janeiro.

Se os Richa se preocuparam de fato com o projeto mostraram que os encontros com Rosilete e Macaris vão além de fotos com heróis locais em busca de uma boa imagem em fotografias para ficar bem com o eleitorado.

Portanto, caso Beto e Marcelo Richa, invistam realmente no boxe e em outras áreas para lutar contra a desigualdade social estarão agindo conforme os preceitos da Social Democracia que compõem o “S” e o “D” no nome de seu partido (Partido da Social Democracia Brasileira) que tem como ideologia buscar um diálogo entre o estado de bem-estar social e o capitalismo.

O PSDB passa por uma espécie de “refundação” capitaneada pelo Senador Aécio Neves de Minas Gerais e acompanhada pelo governador paulista Geraldo Alckmin, pupilo de Mário Covas. Outra figura importante que acompanha este movimento no partido é o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso considerado um dos principais intelectuais políticos do mundo.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Tribuna Esporte entrevista Fábio Garrido



O programa Tribuna Esporte com transmissão no Espírito Santo pela Rede Tribuna entrevistou Fábio Garrido sobre seu retorno ao boxe após a saída do coma.

A coragem do gaúcho

Samir Barbosa / (Foto: Arquivo Pessoal)


Em minha trajetória sempre me dei muito bem com gaúchos, quando falam alguma coisa cumprem. Com exceção de uma pessoa, todos outros sempre cumpriram com a palavra e não podemos julgar um povo por apenas um, entretanto, vejo o pugilista Samir Barbosa, 30, como uma síntese desses homens e mulheres que mesmo nas dificuldades honram suas palavras.

Aliás o gaúcho não “arrega” de uma briga e por vezes paga seu preço, entretanto se cai, cai de pé. Samir peitou adversários em condições desfavoráveis e mesmo assim não vendeu a luta como fazem tantos brasileiros no exterior. Daniel Geale, Yves Studer, Khoren Gevor tiveram dificuldades para vencê-lo e alguns desses resultados são contestáveis.

Sebastian Zbik e Hassan N'Dam tiveram no homem dos pampas seu desafio definitivo para a transição para campeão e após lutar com ele conquistaram cinturões mundiais. O atleta se forma com embates duros e não treinos com leigos.

A feição de Samir endurecida pelo boxe e pela vida mostram quem ele é. Um homem obstinado, de respeito e muita palavra. O som dos Racionais MC's são sua trilha sonora e isso demonstra que não depende da origem para o cidadão perceber as coisas que estão erradas a sua volta.

O pugilista sulista percebeu e montou um projeto para crianças carentes, o Punhos de Esperança. Quando começou a treinar foi um autodidata e por isso reconhece o valor de um espaço para praticar e principalmente, um mestre. Outro aspecto que o influenciou nessa empreitada que faz com amigos é a realidade das ruas. Muitas vidas melhoram com dois “E”s, Educação e Esporte.

Dia 30 de abril Samir terá sua grande chance, sua cidade Rio Grande em seu estado do coração receberá o combate válido pelo título Fedelatin dos médios (72,5 kg) da prestigiada Associação Mundial de Boxe.

O cartel traz sua bagagem de 26 vitórias, 18 nocautes, 7 derrotas e três empates. O oponente vem da vizinha Argentina, escola forte do boxe e país com muitas ligações com o Rio Grande do Sul. Esteban Ponce, 27, é uma ameaça com 17 vitórias, 5 derrotas, 1 empate e oito nocautes. Apesar do cartel mais enxuto já peitou a melhor competição de seu país.

A responsabilidade é assumida por Samir, independente do resultado, fãs, amigos, família e jornalistas sabem como esse homem se entrega ao combate e a maneira que sai dele mantendo sua honra.

terça-feira, 15 de março de 2011

Carlinhos Furacão e Maria Aparecida Oliveira promovem o Campeonato Cinturão de Ouro Boxe Olímpico

Cartaz Campeonato Cinturão de Ouro Boxe Olímpico / (Foto: Divulgação)


O boxeador profissional Carlos Oliveira, mais conhecido como Carlinhos Furacão e sua esposa e presidente da Federação de Boxe do Estado de São Paulo Maria Aparecida Oliveira, a Cidinha promovem o Campeonato Cinturão de Ouro de Boxe Olímpico nos dias 23 a 27 de março em São Vicente, litoral paulista.

O programa de lutas conta com respaldo do Governo do Estado de São Paulo conduzido pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) e por uma junta de órgãos privados. Os embates serão realizados a partir das 19 horas no Ginásio Dondinho.

Campeonato Cinturão de Ouro de Boxe Olímpico
Data: 23 a 27/03/2011
Rua: Travessa do Parque, sem número – Catiapoã – São Vicente – São Paulo

segunda-feira, 14 de março de 2011

Entrevista com Alex de Oliveira

Alex de Oliveira / (Foto: Arquivo Pessoal)

Em 2009, uma coletiva de imprensa anunciou o contrato do boxeador Alex de Oliveira com o mega-empresário Art Pellulo que já trabalhou com Popó no passado. O brasileiro era apontado como maior esperança de títulos no esporte, porém em sua primeira apresentação sob novo representante sofreu uma derrota para um mexicano de cartel regular.

O site Round 13 o entrevistou para saber suas perspectivas no ramo e os motivos da derrota - quando um lutador perde infelizmente até os jornalistas somem -, espaço ao qual o pugilista e o boxe nacional são muito gratos. Agora no Córner do Leão Alex fala de futuro, revê a carreira e aponta que assim que obtiver o diploma de bacharel em Direito busca desenvolver melhorias a nobre arte.

Como foi ter sido anunciado como a esperança do boxe nacional e ser derrotado por Giovani Caro em sua estreia com o empresário Art Pellulo?


Para qualquer lutador a derrota nunca é bem vinda, ainda mais para quem almeja a coroa mundial. Eu vinha em uma boa sequência de lutas e vitórias, o que fez todos terem esperanças em mim como próximo campeão, ocorre que fui derrotado para eu mesmo com minha imprudência, negligência e impaciência no início da luta, sendo que este é o momento mais crítico do combate onde os dois lutadores estão fortes e existe aquela tensão inicial da luta . Não observei estes detalhes e a derrota veio de encontro a mim, foi péssimo demorei um pouco para me recuperar , mas como dizem nestes momentos é que se conhecem os verdadeiros campeões.


A imprensa brasileira ao apontar prospectos como grandes esperanças pode ser danosa ao pugilista e ao esporte?

Não vejo como danosa. Muito pelo contrário ajuda bastante, agora nós pugilistas temos que ter um acompanhamento para se trabalhar isto buscando não criar uma sensação de que já somos campeões, antes de se concretizar o feito.

Os erros contra Caro foram cometidos por você, pelo manager ou ambos? Quais foram esses erros?

Como havia dito, o erro lá no ringue foi meu, pelos motivos acima expostos, promotor e manager fazem seus trabalhos cabe ao lutador em fazer também sua parte no tablado.

Quando você perdeu, vimos uma entrevista no site Round 13. Além deles outros repórteres presentes naquela coletiva que você fechou contrato com Pellulo o procuraram? E as pessoas envolvidas com boxe como te trataram?

Tenho uma imensa amizade com o Denis (Nietto) e o Luigi (Fiorito) do Round 13, estou sempre em contato com eles principalmente o Denis ele está sempre me ligando para saber como estou, perguntando da faculdade eventualmente vem a minha casa, nossa relação não mudou.
As pessoas que estão envolvidas com boxe todas choraram comigo a derrota,assim como todas vibraram com minha vitória.

Em fevereiro fez seu retorno derrotando Robert da Luz. O que avalia do embate? Qual a estratégia para conquistar seu espaço no mercado internacional?

Foi uma ótima luta, eu estava um pouco fora de ritmo, entretanto, tive o domínio de toda luta me senti calmo, meus golpes estavam fortes e rápidos, apesar de não ser um adversário forte tive uma boa atuação. Fui muito elogiado pelos americanos após a luta.
Minha estratégia é formada por dedicação, disciplina, determinação, treinar duro, me preparar bem para ter boa atuação na luta, o resto é consequência.

Como está sua faculdade? Se formará quando? Qual é o tema de seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)?

Graças a Deus esta tudo bem, estou no terceiro ano e o meu TCC ainda não pensei qual será o tema que abordarei.

Quais são as semelhanças e diferenças entre o boxe e o Direito?

A luta, mas cada um em sua área.

Pensa em advogar para os boxeadores terem melhores condições de trabalho no Brasil?

Olha, eu penso em estar no meio do boxe para melhorar as condições para nossa classe sim, não sei se somente advogando, mas estarei sempre ligado a esta modalidade, que tanto amo, de alguma forma. Este sempre será meu objetivo, quando eu parar penso em formas de poder incentivar e ajudar a difundir o boxe no Brasil.

domingo, 13 de março de 2011

Cotto destrói Mayorga

Ricardo Mayorga (solo) e Miguel Cotto (em pé) / (Foto: Chris Cozzone)


O porto-riquenho Miguel Cotto, 30, não cedeu as provocações do nicaraguense Ricardo “El Matador” Mayorga, 37, e o entalhou como uma machete num tronco – já não tão firme – até o nocaute técnico no último round no embate em Las Vegas, Nevada no MGM.

Cotto (36-2-0, 29 KO's) reteve pela 1ª vez o título supermeio-médio (69,8 kg) da Associação Mundial de Boxe (AMB) ao evitar a língua e a catimba de Mayorga (29-8-1, 23 KO's) que já parece defecar pela boca durante as coletivas de imprensa. Como no embate as habilidades vocais não contam muito, o nicaraguense viu que seu corpo era minado pelas “machadadas” de Cotto.

No último round após intensa troca de ganchos Mayorga foi ao solo após golpe de Cotto e emergiu sinalizando fortes dores na mão esquerda, o que gerou uma suspeita de fratura e fez o árbitro Robert Byrd encerrar o combate aos 53 segundos.

Sergio “Maravilla” Martinez nocautea Sergiy Dzinziruk

Sergio Maravilla Martinez e Sergiy Dzinziruk / (Foto: Emily Harney)


O argentino Sergio “Maravilla” Martinez, 36, avisou que derrubaria o ucraniano Sergiy Dzinziruk, 35, e não deu outra, o europeu foi a lona no 8º assalto do embate de sábado em Connecticut, nos E.U.A.

“Maravilla” Martinez (47-2-2, 26 KO's) foi considerado pelo jornalista da ESPN americana Dan Rafael e por mim como o melhor de 2010, e com essa atuação comprova seu valor. A esquerda matadora aliada com condicionamento excepcional foram as armas para abater Dzinziruk (37-1-0, 23 KO's) que foi ao solo antes no 4º assalto e depois no 5º.

Um corte no 7º round preocupou a equipe do argentino, entretanto, isso apenas motivou Martinez a ser mais agressido – ainda – e finalizar o combate no 8º round colocando o ucraniano no chão três vezes o que obrigou o árbitro Arthur Mercante a interromper a peleja.

Barros bate Román e continua rei dos penas da AMB

Jonathan Barros / (Foto: Los Andes)


Jonathan Barros, 27, continua rei dos penas (57,1 kg) da Associação Mundial de Boxe após bater por pontos o mexicano Miguel “Mickey Román, 25, em sua natural Argentina na província de Mendoza. Foi a 1ª defesa do campeão.

Barros (32-1-1, 18 KO's) mostrou a excelência técnica que marca a escola argentina e levou a grande maioria dos rounds. Román (33-8-0, 25 KO's), entretanto, conseguiu demonstrar uma leve superioridade em alguns momentos de brilhantismo. Os placares apontaram 118-110, 118-109 e 117-111.

Ricky Burns mantém título após Joseph Laryea sofrer lesão na mão direita

Joseph Laryea (dir.) e Ricky Burns (esq.) / (Foto: Ian MacNicol - Getty Images)


O escocês Ricky Burns, 27, manteve seu título superpena (58,9 kg) da Organização Mundial de Boxe (OMB) após o ganês Joseph Laryea, 25, sofrer lesão na mão direita ao término do 7º round. O embate se deu na noite de sábado na Braehead Arena em Glasgow, capital escocesa.

Burns (31-2-0, 8 KO's) se viu preso em bons momentos de Laryea (14-5-0, 11 KO's) tendo como ápice do africano o 4º assalto. Porém, o combate foi revertido com golpes fortes contra o corpo para minar a resistência do desafiante.

Alegre joga pesado e mantém título superleve OMB

Fernanda Alegre - (Foto: Santiago Dieser)


A argentina Fernanda “La Camionera” Alegre, 24, mostrou sua superioridade ao defender seu título dos superleves (63,5 kg) da Organização Mundial de Boxe (OMB) com um nocaute técnico no 6º giro sobre a colombiana Diana Ayala, 20, em Buenos Aires na sexta-feira.

Ayala (9-5-3, 5 KO's) começou melhor, mas o domínio passou para a lutadora da casa que colocou seus golpes até jogá-la ao solo no 4º capítulo. Alegre (9-1-1, 5 KO's) fez a oponente não voltar após o fim do 6º round e manteve o título obtido ao bater por pontos a brasileira Michelle Bonassoli no ano passado.

O retorno de Patón

No mesmo evento, os argentinos assistiram o retorno do “Patón”, Gonzalo Omar Basile, 36, que bateu seu compatriota Emilio Zarate, 29. Patón foi nocauteado de forma brutal em apenas 34 segundos por Marcelo “Martelo” Nascimento do Brasil. Zarate vinha de uma derrota por desclassificação para o paulista George Arias. Basile (49-5-0, 23 KO's) levou de Zarate (10-4-1, 5 KO's) por 59,5-57, 59-56 e 58,5-58.


Alegre x Ayala


Basile x Zarate

Marina Juarez se torna campeã regular mosca CMB em luta equilibrada com Simona Galassi

Simona Galassi (esq.) e Mariana Juarez (dir.) / (Foto: Ag. Internacionais)

A mexicana Mariana “La Barbie” Juarez, 31, bateu por pontos e tirou a invencibilidade de Simona Galassi, 38, para deixar de ser campeã interina e se tornar dona efetiva do título dos moscas (50,8 kg) do Conselho Mundial de Boxe (CMB) em combate efetuado sexta-feira na cidade de Polanco, México no espaço José Cuervo Salón.

Juarez (28-5-3, 13 KO's) viu a vantagem ir para a italiana Galassi (14-1-1, 3 KO's), mas a torcida a colocou pra cima de alguma forma tanto que assistiram a reação e a luta foi equilibrada. As plaquetas acusaram 97-93 (duplo) e 96-94.

Pugilista Tairone Silva de 16 anos é assassinado com dois tiros em briga com policial

Tairone Silva / (Foto: Cbboxe)


O boxeador gaúcho Tairone Silva, 16, foi morto na sexta-feira em Osório (região metropolitana de Porto Alegre) após uma discussão com um policial militar que o alvejou com dois tiros – um na perna e outro no peito -. O atleta estava a caminho da casa da mãe e morreu antes de chegar ao hospital.

Conforme a polícia, o PM Alexandre Camargo Adeo levou o pugilista, já morto, para um hospital. Depois foi para a delegacia confessar o crime afirmando legítima defesa. Por se apresentar de forma voluntária pode responder o processo em liberdade.

Próximo das 13 horas, Tairone retornava da casa de um amigo e encontrou o PM Adeo, que estava à paisana. Testemunhas ouviram três tiros, e em questão de minutos, Cláudia da Silva, 43, chegou ao local do assassinato do filho.

“Ele pegou meu filho no colo, colocou no carro e levou a gente para o hospital”, relatou a mãe ao Diário Gaúcho.

Tairone foi campeão brasileiro cadetes de 75 kg (entre 15 e 16 anos) e eleito o melhor atleta da competição entre todas as categorias. Em fevereiro de 2010, disputou um torneio internacional no Chile e foi campeão, foi sua primeira viagem ao exterior.

Errata: A cidade na qual ocorreu o crime é Osório e não Porto Alegre como havia sido informado. A informação veio por leitor anônimo deste blog.

sábado, 12 de março de 2011

Artigo: "Boxe é boxe"

O Córner do Leão cede este espaço para a publicação do Artigo "Boxe é Boxe" do professor de pugilismo Paulo Mendes de Maceió, Alagoas.

Boxe é Boxe

Muay thai é muay thai, Kick Boxing é Kick Boxing...

Venho mais uma vez, levantar alguns questionamentos assim como também fazer um alerta aos alunos de boa parte das academias do nosso imenso país, incluindo, por incrível que pareça, àqueles matriculados nas grandes academias do eixo São Paulo – Rio de Janeiro, de que o Boxe está se perdendo em sua história e em sua essência.

Infelizmente tenho me deparado com professores de várias destas academias com o título de “Professor de Boxe”, fato que, verdadeiramente, em muitas oportunidades, não o são. Muitos são oriundos de outros esportes de luta, outros ainda se encontram migrando de um desses outros esportes de luta para o Boxe.

Na verdade migram das chamadas “artes marciais”, que têm sua origem no mundo oriental, enquanto o Boxe tem sua origem no mundo ocidental, sendo uma “luta” criada, desenvolvida e praticada pelos gregos (1500 anos A.C.), com o nome de “Pancrase” e mais tarde “Pugilato”. Mas como sabemos, também foi acoplada e praticada pelos gladiadores romanos, durante as lutas, nos jogos Olímpicos da Antiguidade, e que em festivais especiais terminava, com a morte de um dos contendores.

Não, que os professores vindos de outras lutas, não tenham competência para ensinar, mas que, por virem de atividades tão distintas e com essências tão diferenciadas, não conseguem absorver todas as nuances, que caracterizam a nobre arte, o boxe.

Acreditamos que todo o processo ensino-aprendizagem ficará comprometido, já que, apesar de todo o esforço desenvolvido por estes professores, provavelmente não conseguirão transmitir todas as ações inerentes ao boxe sendo sua história, sua plástica que inclui postura, deslocamentos, defesas, ataques, além de outros fatores.

Queremos afirmar, que a prática do boxe também se faz necessária e crucial para todo o processo ensino-aprendizagem, mesmo nas academias, e que, de nada adianta termos professores teóricos, sem que eles, ao menos, tenham vivenciado e praticado o boxe. Na verdade, em nosso entendimento, eles até nem precisariam ter participado de competições. Como o inverso também é verdadeiro, de nada adiantaria termos apenas indivíduos práticos, ex-atletas, sem que eles, ao menos, tenham buscado cursos técnicos de capacitação com conhecimento e aperfeiçoamento nas áreas pedagógica e das ciências dos esportes.

Como as academias do Brasil e mundo afora, podem descaracterizar uma luta, hoje um esporte, tão longínquo e que é parte antropológica e integrante da história evolutiva de todos nós seres humanos?

Por que nossas universidades e faculdades, não interferem neste contexto, integrando o BOXE em sua grade curricular - se é que não já existe- , bem como adotem seus ensinamentos histórico-culturais-antropológicos em seu conteúdo programático, pois que o mesmo, é um remanescente da “história antiga” mundial?

Não esqueçamos, porém, de que todos os conhecimentos técnico-científicos deste esporte, devem ser passados da maneira correta, sem mesclas e desvios pedagógicos.

Quanto aos nossos Conselhos de Educação Física: Federal e Estaduais acredito, que deveriam estabelecer e até mesmo obrigar que as academias contratem o verdadeiro professor da modalidade, fazendo com que este papel seja exercido por quem é de direito

Como podemos deixar que professores de outras lutas, mesmo que inconscientemente, desfigurem e deturpem o Boxe?

Observem que as diferenças entre lutas são gritantes; por exemplo: comparemos o Boxe com o Muay Thai:

1) Postura: BOXE: Perfil – MUAY THAI: Frontal;

2) Guarda: BOXE Cotovelos bem próximos ao Corpo e ao Rosto – MUAY THAI: Cotovelos afastados do Corpo e do Rosto;

3) Deslocamentos: BOXE: Rente ao solo, cerca de 45º entre os pés, numa distância entre ambos de 30 – 40 cm: o pé da frente com a planta totalmente no solo, o pé de trás com predominância na ponta(flexão plantar) – Muay Thai: Saltitos para cima, para frente e para trás, os dois pés quase que paralelos, com predominância nas suas pontas(flexão plantar);

4) Ataque: BOXE: os socos saem e retornam colados ao rosto e corpo – Muay Thai: os socos saem e retornam afastados do rosto e corpo. Salientamos ainda, que os socos de ambos, possuem mecânicas totalmente diferenciadas;

5) Defesa: BOXE: Bloqueios(simples e duplos), Esquivas[lateral(tronco e pernas)/recuo(tronco e pernas)/pêndulos)], o objetivo do BOXE é sair dos golpes e aproveitar as duas mãos livres para os contra-golpes(BOXE é a arte da aplicação de golpes, sem que possamos ser atingidos – popularmente seria: "A Arte de Bater e Não Apanhar") – Muay Thai: basicamente bloqueios duplos.

OBS:

a) É importante frisar, que o BOXE não permite o uso de chutes, joelhadas e cotoveladas, golpes que formam a essência do Muay Thai e que, por conseqüência da utilização destes golpes, é que existem diferenças bastante significativas entre ambos os esportes.

b) Senhores “professores”, tenham consciência e deixem as aulas de BOXE, para aqueles que realmente vivem, viveram e se especializaram nos fundamentos da NOBRE ARTE*.



*NOBRE ARTE: Título ofertado ao BOXE, pois que, na Inglaterra, quando sofreu *mudanças em suas regras(“Boxe Moderno”), era praticado pelos NOBRES - aqueles pertencentes às classes sociais mais abastadas -.



*mudanças: Ao longo dos tempos, o Boxe Inglês foi praticado sob três tipos de regras: 1) Regras de Broughton(introduzidas em 1743); 2) Regras de Londres(introduzidas em 1838 e modificadas em 1853 e 1866); 3) Regras do Marquês de Queensberry(introduzidas em 1867, são as do Boxe Atual, mas já sofreram várias alterações).